Por dentro da PM
A reportagem solicitada não foi encontrada.

Natal, Rio Grande do Norte, 11 de Dezembro de 2019

A banalidade da violência e a falta de solidariedade

Glaucia Paiva   25/11/2014 às 05h45   -  Atualizada em 06/02/2015 às 14h30

No último dia 11, o Soldado Alexsandro, de folga, ao se deslocar à Agência dos Correios da cidade de Major Sales não sabia que ali iria ser cerceada a sua vida.

O vídeo que rodou as redes sociais, onde todos tentam explicar o que poderia ter sido feito pelo policial para evitar a sua morte, ganhou uma versão extendida e mostra o pós-combate entre o criminoso e o policial. O que chama a atenção não é a ação em si, o confronto entre o Soldado e o bandido, mesmo por que os ditos "especialistas" em combate urbano, abordagem, etc, irão mencionar inúmeras possibilidades do que poderia ter sido feito ou não pelo PM ao ser puxado para dentro da Agência dos Correios pela camisa por um dos bandidos. O que chama a atenção nesse vídeo é justamente o pós-combate, a reação das pessoas após o confronto que estavam sendo mantidas no local pelos bandidos e que o policial tentaria, como foi prometido em seu juramento, manter a segurança da comunidade, mesmo com o risco da própria vida. E, de fato, foi o que lhe custou: a vida.

Por vezes eu assisti o vídeo e tentei explicar o por quê de o policial durante mais de quatro minutos fica caído no chão, com pessoas entrando e saindo - curiosos de verem alguém tentar lutar pela vida, sem qualquer reação de assistência. O pior, a reação daqueles que presenciaram e, após o conflito, saíam - talvez para esquecer que ali estava uma pessoa que, por alguns segundos tentou lhes salvar. No vídeo, o PM fica ao chão, após receber vários disparos, mas as pessoas apenas saem e ignoram que uma pessoa sangrava em prol de um ideal: justiça.

Após o trânsito de cinco pessoas, eis que surge um funcionário da agência e volta para tentar chamar ajuda. Talvez devêssemos nos acostumar com tamanha banalidade, de vermos pessoas sangrar e apenas assistirmos. A banalidade da violência começa quando deixamos de nos indignar com cenas como a do vídeo. Eu ainda me indigno.

Tópicos: vídeo, assalto
Encontre-nos no Facebook
Fechar
© 2011-2019. Portal BO - O 1º Portal Policial do RN - Todos os direitos reservados - Política de Privacidade

Título