Natal, Rio Grande do Norte, 10 de Julho de 2020

Audiência na Assembleia Legislativa indica que homicídios triplicaram no RN

Em contrapartida, efetivo da Polícia Civil é praticamente o mesmo há 16 anos.

Redação   07/11/2012 às 18h02   -  Atualizada em 24/07/2017 às 11h53

Foto: Divulgação / Assembleia Legislativa

Os crescentes índices de violência no Rio Grande do Norte e as dificuldades estruturais e de efetivo enfrentadas pela Polícia Civil do estado foram debatidas durante audiência pública, na tarde desta quarta-feira (7), na Assembleia Legislativa. Na ocasião, representantes da instituição apresentaram dados alarmantes do setor de segurança pública e solicitaram ao Governo do Estado que nomeie os concursados. Segundo o deputado Fernando Mineiro (PT), propositor da audiência, os convocados recentemente estão apenas ocupando as vagas dos policiais aposentados e falecidos. Governo garante que, em 2013, irá convocar aqueles que passaram pela academia.

O representante da Comissão dos Concursados da Polícia Civil, Carlos Alberto Gonçalves apresentou dados sobre a situação da criminalidade no Rio Grande do Norte e disse, com base em pesquisas, que nos últimos 10 anos, a taxa de homicídios triplicou no estado. “No caso do assassinato de crianças e adolescentes, o aumento foi de 400%, colocando o RN como recordistas de homicídios desse público, ficando atrás apenas na Bahia”, declarou.

Segundo Carlos Alberto, dos 5.150 cargos para a Polícia Civil, criados por Lei, apenas 25% estão ocupados. Além disso, a atual estrutura da instituição é a mesma desde 1996. “Temos a mesma quantidade de delegacias, de policiais, não houve evoluções significativas. Este ano, foram mais de mil inquéritos sem resposta, ou seja, mais de mil famílias continuam sem saber quem foram os responsáveis pelo seu sofrimento. Na Grande Natal, as delegacias acumulam cerca de 700 procedimentos por delegacia. Com relação ao roubo de carros, só em maio foram mais de 200 veículos furtados no estado. E uma delegacia, com um delegado, um substituto e 12 escrevães não dá conta de solucionar estes crimes”, disse Carlos Alberto.

O representante da Associação dos Escrivães, Roberto Moura, troxe informações de sua categoria e cobrou as autoridades providência práticas. “Represento uma categoria sobrecarregada. No interior, por exemplo, tenho colegas que atuam em sete municípios. Em Natal, na Delegacia de Defraudações, são mais de 2 mil procedimentos, com apenas dois escrivães. Essas pessoas são fundamentais, pois são responsáveis por toda formalização de procedimentos, oitivas, o trâmite entre a delegacia, Ministério Público, Justiça, apreensões, intimações”, afirmou.

Outro aspecto preocupante, segundo Roberto Moura, é a questão de saúde desses profissionais. “A carga de trabalho é tão elevada que muitos colegas estão necessitando de tratamento de saúde. Não aguentam a carga e ainda têm a licença prêmio negada, porque não tem outra pessoa para substituí-lo. Os gestores precisam entender a necessidade e partir para ação. O povo precisa de uma política efetiva, que dê respostas à sociedade”, afirmou Roberto.

CRÍTICAS

Para a presidente da Associação dos Delegados de Polícia Civil, Ana Claudia Saraiva, as críticas feitas à atuação da Polícia é, muitas vezes, injusta, tendo em vista a situação de dificuldades estruturais que a categoria enfrenta. “Nos apontam como ineficientes, mas não temos efetivo suficiente para atender uma demanda tão alta. O crime é uma torneira aberta e nós não temos como dar respostas à população, por falta de uma estrutura adequada”, declarou.

A representante do Sindicato da Polícia Civil, Renata Pimenta afirmou que a situação é de destruição. “Há algumas décadas era comum vermos policiais nas ruas trabalhando, investigando. Hoje em dia somos menos de 1.500 em todo o estado. Quando fazemos um paralelo com a Polícia Militar, que possui cerca de 12 mil policiais, vemos o quanto estamos defasados. É como se o Governo quisesse jogar a última pá de areia. Mas não vamos permitir. Com relação a estrutura, tivemos que ir desocupando prédios, perdemos 8 unidades e o efetivo é o mesmo de 1996”, afirmou Renata.

GOVERNO

O representante do Governo do Estado, o diretor da Polícia Civil no interior, José Carlos de Oliveira afirmou que as reclamações são justas e disse que em 2013, após ter solucionado as questões dos limites prudenciais, o Governo irá convocar os policiais que passaram pelo curso de formação. “No próximo ano, o Governo deverá sair desse limite prudencial e a intenção é chamar todos que fizeram a academia. No total, são 308 agentes e 122 escrivães”, afirmou. José Carlos declarou, ainda, que o Governo está sensível a esta situação e disse que o delegado geral, Fábio Rogério da Silva está fazendo um trabalho, dentro do possível, para reduzir tais problemas. 

*Fonte: Assessoria da Assembleia Legislativa.

Encontre-nos no Facebook
Fechar
© 2011-2020. Portal BO - O 1º Portal Policial do RN - Todos os direitos reservados - Política de Privacidade

Título