A reportagem solicitada não foi encontrada.

Natal, Rio Grande do Norte, 26 de Abril de 2018

Decisão do TJ reforça inconstitucionalidade de gratificação para PMs da reserva

Dispositivo garantia um suposto direito a receber o correspondente a 50% do valor da remuneração do posto ocupado na ativa.

Redação   30/07/2013 às 07h38   -  Atualizada em 02/08/2017 às 01h13

Foto: Elpído Júnior / Amarn

Uma decisão, de relatoria do desembargador Cláudio Santos, ressaltou, mais uma vez, a inconstitucionalidade da Lei Estadual nº 6.989/97, aplicada aos Policiais Militares da reserva que foram designados para a Guarda Patrimonial e policiamento interno dos órgãos públicos. O dispositivo garantia um suposto direito a receber o correspondente a 50% do valor da remuneração do seu posto ocupado na ativa.

No entanto, o desembargador destacou que, o período em que foi movido o Mandado de Segurança contra o Estado, a Lei Estadual nº 6.989 já havia sido retirada do ordenamento jurídico, em virtude da declaração de sua inconstitucionalidade.

O diploma normativo, conforme destaca a decisão, realmente permitiu que policiais militares da reserva remunerada fossem designados para a realização de determinadas tarefas na Polícia Militar deste Estado, por prazo certo (arts. 1º e 2º), prevendo o seu artigo 4º que, durante a designação, o servidor faria jus a uma retribuição financeira que seria paga mensalmente e corresponderia a 50% do valor da remuneração inerente ao posto ou graduação ocupada na ativa.

Contudo, o dispositivo foi declarado inconstitucional pelo Plenário do TJRN, em acórdão do dia 5 de junho de 2009, tendo o Colegiado concluído, por votação unânime, ser flagrante a incompatibilidade do citado diploma com o artigo 26, incisos II, IX e XVI, da Constituição do Estado do Rio Grande do Norte. Assim, prevalece a Lei maior.
 

 

Encontre-nos no Facebook
Fechar
© 2011-2018. Portal BO - O 1º Portal Policial do RN - Todos os direitos reservados - Política de Privacidade

Título